Atenção!
O Internet Explorer não suporta a nova versão do nosso site, atualize seu navegador para o Microsoft Edge, Google Chrome ou Mozilla FireFox e continue navegando.

Reconheça os tipos de estrias e os tratamentos disponíveis

Corpo

Imagine um elástico que, de tanto ser esticado, se rompe. Fenômeno semelhante ocorre quando as fibras elásticas, formadas por elastina e colágeno, que constituem a camada intermediária da pele, são estressadas a um ponto em que também acontece o seu rompimento.

A isso chamamos de estrias, que estão presentes tanto nas mulheres quanto nos homens nas mais variadas faixas etárias. Entre as regiões mais propensas ao seu aparecimento, destacam-se os quadris, coxas, nádegas, culotes e mamas.

Essas marcas aparecem em geral após ganho ou perda de peso rápido, o chamado efeito sanfona, uma vez que o crescimento da pele é maior do que é possível ao corpo suportar. O resultado são as temíveis listras.


Tipos de estrias com diferentes abordagens


No entanto, existem estágios de formação das estrias. As estrias vermelhas, ou com aparência roxa, são consideradas recentes. Elas podem ser tratadas de forma rápida por ainda possuir colágeno e vasos, sendo cicatrizes que ainda não estão totalmente formadas. A cor avermelhada indica que há sangue circulando fora dos vasos.

Porém, é importante procurar um tratamento assim que elas apareçam para que seja possível ainda tratar e regenerar o local afetado.

Já as estrias brancas são as mais antigas, cujo tratamento envolve ação para atenuá-las, melhorando sua aparência e deixando a pele menos marcada e enrugada.


Tratamentos para prevenir ou atenuar estrias


Existem tratamentos que ajudam a reduzir as estrias, mas precisam ser realizados logo que aparecem, já que as estrias vermelhas respondem melhor aos procedimentos. A missão é estimular a produção de elastina e colágeno, substâncias que dão sustentabilidade à pele.


Confira os tratamentos disponíveis na Lavillie para o tratamento de estrias


Laser
Esse procedimento consiste em fazer disparos de laser sobre as estrias, causando uma leve queimadura no local. Tudo para estimular a produção de novo colágeno e de elastina. É normal que a pele fique avermelhada, pois o objetivo é que esse tecido descame após alguns dias, dando lugar a uma pele nova. Após as aplicações, o dermatologista prescreverá medicamentos específicos para proteger o local tratado.

Radiofrequência
Nesse tratamento, as ondas disparadas pela ponteira aquecem a camada mais profunda da pele. O efeito disso é a contração, o aumento e a reorganização dos tecidos de sustentação, com aproximação das estrias.

Microagulhamento
Esse tratamento consiste em deslizar o dermaroller exatamente em cima das estrias para que suas agulhas ao penetrarem na pele, abrindo caminho para que os ativos que são aplicados na sequência tenham uma absorção 400% superior

Importante alertar que nenhum tipo de roller pode ser usado em casa. As agulhas com mais de 2 mm só podem ser usadas por profissionais habilitados, como o fisioterapeuta especialista em dermatofuncional, esteticista ou pelo dermatologista, mas não deve ser usado em casa, pelo risco de infecções.

Peeling químico

Os peelings químicos possuem uma formulação que provoca uma leve esfoliação na pele. Essa ação estimula a microcirculação da região afetada e forma novas fibras de colágeno, que ajudam a suavizar as marcas já existentes. Conheça os tipos de peeling para rejuvenescimento da pele.

compartilhe

Comente