Atenção!
O Internet Explorer não suporta a nova versão do nosso site, atualize seu navegador para o Microsoft Edge, Google Chrome ou Mozilla FireFox e continue navegando.

Conheça os tipos de peeling para tratamento facial

Face

Sempre que as temperaturas ficam mais baixas, é chegada a temporada de peeling para o rosto. Mas você conhece quais são os tipos de peeling existentes?

Peeling é um procedimento estético renova as células em diferentes camadas da pele por meio de uma descamação controlada.

O objetivo do tratamento com peeling é rejuvenescer o rosto, clarear manchas, tratar sinais da acne, amenizar rugas e suavizar linhas de expressão.

No entanto, ainda há muito mito que cerca o peeling, talvez pela origem da palavra inglesa, que significa descascar.

De acordo com a fisioterapeuta dermatofuncional da Lavillie, Nathaly Boldrini, nem sempre fazer peeling é sinônimo de renovação celular, ficar com a face avermelhada e dolorida pelo processo de descamação mais profunda, já que é possível realizar peeling para outros objetivos.

 

Peeling também é indicado para quem busca hidratação, nutrição e preenchimento

 

O procedimento também é indicado para quem busca hidratação, nutrição e preenchimento. “Tudo vai depender da avaliação dermatológica inicial. Por meio de um aparelho chamado Facebox, verificamos a idade da pele, as manchas, tamanho dos poros, rugas, entre outros dados que servem para orientar o tratamento em geral”, afirma.

A diferença entre os tipos de peeling: físico e químico

Por isso, nem sempre o caminho mais indicado é descamar em profundidade a pele, podendo inclusive o peeling ser realizado de forma periódica em outras épocas do ano e até no verão.

Há dois métodos para conseguir essa descamação, com uso de substâncias químicas ou físicas. Nos peelings físicos, a pele recebe cremes ou aparelhos que realizam a microabrasão por fluxo de cristais ou diamantes.

Por isso, esses tratamentos ficaram conhecidos como peeling de cristal ou peeling de diamante. Indolor, esse procedimento é seguro e a melhora do tônus e da pigmentação da pele é imediata.

Já nos peelings químicos, são aplicados ácidos como salicílicos e retinóicos, entre outros. Ambos têm a função de remover as camadas superficiais da pele.

Tudo para que o rosto seja regenerado, sendo atenuados problemas como rugas, manchas e linhas de expressão.

Nathaly alerta que cada tipo de peeling pode causar reações diferentes entre os pacientes. Daí a importância da consulta de avaliação para verificar o tipo ideal para seu rosto.

O que fazer após o tratamento

Depois da realização do procedimento, a dica da especialista da Lavillie é utilizar sabonetes específicos para o rosto e proteção solar mesmo em dias nublados. Aliás, esse é um hábito que deve sempre fazer parte do ritual de cuidado com a pele facial.

Para quem optar pelos processos mais profundos de peeling, a aplicação de água termal é o mais indicado nesses casos. Um tratamento complementar depois da realização do peeling é a hidratação facial, já que o procedimento, na maioria das vezes, sensibiliza a pele. Por isso, Nathaly recomenda sessões semanais de hidratação para completo restabelecimento da pele. Além disso, confira outro artigo que tratamos dos benefícios do LED para a face.

Alguns mitos e verdades sobre o peeling

Muitas pessoas ainda trazem alguns mitos que cercam o tratamento com peeling. Vamos esclarecer alguns deles:

Para o peeling dar resultado, o rosto precisa ficar vermelho
Você não precisa sair de uma sessão de peeling com o rosto avermelhado e com dor. Os tratamentos são os mais diversos e a indicação para seu tipo de pele vai depender da avaliação dermatológica inicial.

Alguns tipos de peeling devem ser feitos só no inverno
Isso não é verdade. Existem tipos de peeling que promovem uma suave descamação, como o peeling físico, sem uso de ácidos. No entanto, há inclusive peelings químicos que também não descamam, são nutritivos e alguns até possuem função “preenchedora”. Porém, seja no inverno ou no verão, recomenda-se o uso do filtro solar para proteção da pele.

Gestantes não podem fazer peeling
As gestantes podem fazer os tipos de peeling conhecidos como Cristal e de Diamante, porque promovem uma microdermoabrasão com grãos de cristais que esfoliam a pele sem química. Porém, estão proibidas de fazer os peelings com ácidos, como o retinóico e o salicílico. Na Lavillie, toda gestante precisa passar por uma avaliação dermatológica inicial para verificar suas condições em geral.

Peeling em casa
Supermercados, farmácias ou lojas de cosméticos não são os lugares recomendados para adquirir um peeling químico, porque se não forem bem manipulados podem desencadear feridas e até queimaduras na pele. Por isso, não se deve fazer esse procedimento em casa.

compartilhe

Comente